Será que foi escolha?

9.3.12 |


Essa semana li uma matéria em um jornal que contava histórias de crianças e adolescentes que passam o dia na rua e, à noite, vão para casa. Eles passam a manhã toda e parte da tarde pedindo dinheiro ou roubando para comprar tiner ou crack. O curioso é que a matéria dizia que elas escolheram "por livre e espontânea vontade" estar ali e que, nesse tempo, acabam sendo aliciadas por adultos que as usam para fazer pequenos furtos ou para pedir algum trocado, supostamente para comer.

O que me veio à cabeça e fez com que eu escolhesse esse tema para escrever foi: SERÁ?! Será que crianças que estão indo para as ruas com seus 7 ou 8 anos têm capacidade de escolher o que será melhor para elas? Ou será que foram as circunstâncias que certamente elas enfrentam em casa que as OBRIGARAM a isso? Penso que TALVEZ, se não todas, a maioria dessas crianças não tiveram escolha, diante de uma casa onde o pai bate na mãe, ou são abusadas, ou os responsáveis estão desempregados e/ou não têm o que comer, ou os pais não deram limites desde que eram bem pequenininhas ou, até mesmo todas essas coisas, e mais um pouco, juntas.

Trabalhei durante um ano em um projeto de extensão da faculdade na qual me formei (PUC Minas) que consistia em oficinas de comunicação para crianças e adolescentes de um dos maiores morros de Belo Horizonte, o Morro das Pedras. Lá pude ver de perto a realidade de crianças como essas da reportagem. Lembro-me de um deles, o meu preferido: dezesseis anos, inteligente, criativo, esforçado, bom aluno. Não conhecia o pai, mãe desempregada, irmão muito doente e não conseguia emprego. Certo dia ele me disse que tinha saído da escola e eu lhe perguntei o que que ele pretendia ser, se não estudasse.

Ele me respondeu: "Querer eu quero ser muita coisa...MAS..." Eu o interrompi e falei: "Não vai mexer com venda de droga não, hein Fulano!"; ao que ele me respondeu: "Ih 'fessôra, 'cê' é play boy, não sabe o que é ser da favela e o que que 'nóis passa!'". Eu simplesmente me calei. Era verdade; eu não sabia nada e ainda não sei. Pouco tempo depois que saí de lá, fiquei sabendo que ele tinha sido preso por venda de drogas.

Quando estamos distantes, no nosso conforto, fora do problema, é muito fácil julgar e dizer que eles ESCOLHERAM ou estão POR LIVRE E ESPONTÂNEA VONTADE nessa vida. Não estão! Há sempre uma explicação, um histórico por trás de cada "escolha". O que é triste é saber que o incentivo é muito maior 'do lado de lá'. O número de gente e de circunstâncias que os empurram para o pior é tristemente maior do que o número dos que tentam fazê-los crescer.

Ah... mas o quê que eu posso fazer? Vou escrever uma matéria com algumas baboseiras pra um jornal ou... sei lá. Quem sabe escrever um texto para algum blog.

Anna

Anna Elisa Souza (Lili)

Sou mais conhecida como Lili. Formada em Jornalismo pela PUC Minas e apaixonada por leitura e escrita desde criança.

Leia mais textos de Anna

  • rss

Todos os textos e imagens de JuveMetodistaBLOG são licenciados sob uma Licença Creative Commons. Clique aqui para saber mais sobre isso.
Leia também:
2leep.com
Deixe seu comentário!

4 comentários

Carol Novick

Elisa,

Gostei do seu texto e concordo com você, ODEIO julgamentos.
Tudo nessa vida tem um PORQUÊ!

E você tá escrevendo direitinho, até que tá!

Fico sinceramente com orgulho quando vejo textos tão bons e recheados de humanidade, partindo da sua mente brilhante.

Parabéns!

Jhon

"Há sempre uma explicação, um histórico por trás de cada "escolha". O que é triste é saber que o incentivo é muito maior 'do lado de lá'."

Isso me doeu, pq é nossa realidade. Por que os incentivos maiores estão do lado de lá? Agora eu me pergunto se realmente são maiores e eu vivo de aparência ou se o que eu vivo é tão bom e eu sou egoísta ao ponto de não oferecer a outra pessoa uma escolha.

Nada de puritanismo ou de super crente, tô falando isso de coração, reconhecendo minha falha.

Abração;
Jhon

Angela Garcia

Lili, aki em JF no Projeto Sombra e Água Fresca, vivi bem de perto com problemas semelhantes. Não relacionados ao tráfico ou uso de drogas, mas de violência doméstica, abuso sexual e abandono. Eles não tem opção, essa é a verdade. E quando conseguimos alcançá-los e tentamos fazer algo, eles simplesmente são tirados do nosso alcance. Eles não estão vivendo nada disso por livre e espontânea vontade deles, mas sim por livre e espontânea vontade daqueles que os geraram irresponsavelmente, inescrupulosamente. Enquanto estou aqui, postando esse comentário, no conforto do meu quarto e no amor da minha família, o que poderá estar acontecendo com eles???

Anônimo

Oi Minha sobrinha e afilhada linda!
Que orgulho me dá vê-la escrevendo tão bem!
Bjus!

Postar um comentário

Olá, ficamos felizes com sua visita no JuveMetodista BLOG! Obrigado por ler este post! Aproveite sua visita e deixe um comentário! Forte abraço!

Página Anterior Próxima Página