Stopmotion

6.1.12 |


Desde “sempre” quero trabalhar com algo que tenha a ver com design e filmes, principalmente com animação. Existem diversos tipos de animação: stopmotion, 2D, 3D, se pudermos considerar, também existem os flipbooks (que não seria exatamente um filme).

O stopmotion, tipo o que eu tratarei hoje, é uma técnica de fotograma a fotograma. Isso significa que é feita por fotos, montadas quadro a quadro, até que formem o que chamamos de filme. Num exemplo bobo, imaginemos que você pegue aquele dinossauro do seu irmão mais novo (ele deve ter articulações nos braços e pernas, de preferência) e aí resolve que irá filmá-lo destruindo uma cidade (uma maquete ou a cidadezinha do Lego que você já montou). O dinossauro deve ser fotografado quadro a quadro. Movimenta-se um braço e se fotografa. Movimenta-se outro e se fotografa novamente. E assim por diante. Movimento por movimento. Um por um. O que pode ser cansativo, dependendo do tamanho do filme que se quer criar.




Bom, agora que já sabemos o que é, vamos falar dele. O stopmotion na história é algo antigo. George Méliès, o famoso ilusionista francês que se apaixonou pela máquina dos Lumière (a primeira câmera filmadora e também projetor: o cinematógrafo), fez diversos filmes inusitados, e é considerado o pai dos efeitos especiais. Ele gostava de modificar os fotogramas, cortando cabeças, fazendo-as voar, coisas desse tipo. Coisas que, até então, a maioria das pessoas jamais havia visto e era bastante assustador para a época (lembremos que as pessoas tinham acabado de conhecer o “cinema” e isso já era assustador o suficiente). Méliès usava a técnica do stopmotion: filmava um quadro, parava, mudava a cena e voltava a filmar. E assim, quadro a quadro, obtia o resultado de tantos efeitos especiais. Seu filme mais conhecido é “Le voyage dans la lune” (A viagem à Lua - 1902). Obs: Méliès não fazia os filmes fotografados, mas adicionava os efeitos da mesma forma (parando a cena, mudando e continuando a filmar).




Saindo dessa atmosfera antiga, vamos partir para o stopmotion hoje: quem faz, quais filmes, técnicas adicionais e o sucesso de bilheteria.


Tim Burton, cineasta americano que dirigiu filmes como “Edward Mãos de Tesoura” e “Alice no País das Maravilhas”, em 1982, dirigiu seu primeiro curta-metragem em stopmotion: “Vincent”.




Em 1993, Burton lança seu primeiro longa em stopmotion, o primeiro filme em stopmotion a ser distribuído no mundo todo. O filme foi feito meticulosamente: ao todo, foram feitos 227 bonecos e reuniu os melhores animadores de stopmotion da atualidade. Mais tarde, Burton produz e co-dirige o filme, que eu diria ser o melhor até hoje, “A Noiva Cadáver”. O filme foi feito com a técnica de stopmotion, finalizado digitalmente. Cada um dos 20 personagens mais importantes teve um número de 14 bonecos de aço e silicone, além dos animadores terem de preparar 34 miniaturas de cenários do filme. Ao todo, foram batidas 109 mil fotos.



Além dos filmes de Tim Burton, temos também os famosos longas: “A Fuga das Galinhas” e “Wallace & Gromit”, produzidos pela Aardman Animations. Tanto “Noiva Cadáver” quanto os outros dois últimos foram feitos com a técnica Caymation, que corresponde ao stopmotion feito com bonecos de barro, plastilina, massinha de modelar ou látex animados (o chamado barro animado).

Este artigo continua na próxima semana.


 

Todos os textos e imagens de JuveMetodistaBLOG são licenciados sob uma Licença Creative Commons. Clique aqui para saber mais sobre isso.
Leia também:
2leep.com
Deixe seu comentário!

Postar um comentário

Olá, ficamos felizes com sua visita no JuveMetodista BLOG! Obrigado por ler este post! Aproveite sua visita e deixe um comentário! Forte abraço!

Página Anterior Próxima Página